TikTok, Trump e um impulso em agir como C.E.O da “América Corporativa”

05
ago

Intervenções do presidente em negociações da empresa, baseadas em seus próprios instintos, remete ao comportamento de predecessores de ambos os partidos.

Donald Trump prometeu liderar a economia como seu próprio império. E por quase quatro anos, ele tem se inserido em assuntos de empresas, ajudando algumas e punindo outras, de acordo com seus instintos e inclinações.

O mais recente alvo de sua atenção é o TikTok, aplicativo possuído pela China acusado de providenciar dados e usuários americanos ao governo chinês. Depois de ameaçar banir o aplicativo dos EUA na última sexta, Trump voltou atrás, dizendo que permitiria a permanência do TikTok se fosse vendido a um dono americano.

Ele também argumentou que os EUA deveriam receber dinheiro por deixarem o acordo acontecer, sem explicar como isso funcionaria. “Uma porção considerável desse preço terá de vir para a tesouraria dos Estados Unidos, já que estamos fazendo essa negociação possível”, disse o presidente.

Trump tinha o direito de assinar um plano para combater quaisquer riscos que o TikTok traria, mas os eventos seguiram um padrão visto no início de seu governo, em que algumas das mais poderosas empresas do mundo, como Carrier, General Motors e Boeing se viram à mercê de Trump, que tem particularmente tem como alvo multinacionais que enganaram e/ou envergonharam políticos americanos do passado.

O presidente também vem atacando empresas e seus executivos por falharem em corresponder a seus desejos, como Kenneth C. Frazier, chefe executivo da Merck Pharmaceuticals, que se colocou contra o posicionamento de Trump durante os protestos em Charlottesville. O executivo inclusive foi criticado pelo presidente via Twitter.

Com isso, as interferências de Trump em empresas são inconsistentes, levando à dificuldade de executivos em antecipar exigências ou reações da Casa Branca. O “vai-e-vem” de Trump com relação ao TikTok prova como ele tem feito decisões a respeito de segurança nacional por impulso.

Fonte: The New York Times

                                                              Tradução e adaptação por Lucca Apollonio Caixeta

                                                            Matéria original: https://www.nytimes.com/2020/08/03/business/economy/trump-tiktok-china-business.html

Categorias:#Noticia#Social Media#Tecnologia

Postado por Criar Digital em 5 de agosto de 2020

Voltar